quinta-feira, 17 de junho de 2010

Amamentação, muito mais que um ato de amor. [4]

Patricia: Amamentar...
Dores iniciais, acordadas na madrugada... Nada que me faria ter desistido dessa transfusão de amor. Dizer sobre isso depois de um certo tempo provoca uma grande saudade. Vontade de voltar no tempo, sentir o cheirinho, a proximidade, um momento único a cada mamada.

Eu sentia um grande orgulho em conseguir ser uma fonte completa de alimento para aqueles seres lindos e cheios de dobrinhas. Ouvir elogios do pediatra cada vez que meus filhos eram pesados, aumentava ainda mais esse orgulho. Amamentei à moda antiga, comendo canjica e tomando muitos chás quando achava que a produção de leite não era suficiente. Talvez a canjica e os chás nem fizessem esse efeito, mas era uma tentativa de prolongar a amamentação. E eu consegui!

Assim foi com a Giovanna [12], com o Guilherme [6] e com o João Vítor [3]. Até o momento em que eles decidiram parar. Tudo aconteceu naturalmente, sem sacrifícios, conforme foram conhecendo novos alimentos, novos sabores.

Momentos que nunca se apagarão da minha memória, que consigo traduzir a eles através de fotografias, contando detalhes daqueles momentos. E como eles gostam de ouvir histórias de quando eram bem pequeninos.

A amamentação acabou. Mas o colo, o carinho, o ninar irão permanecer sempre!


Oi pessoal! Eu sou a Fabiana amiga da Kelly de Cascavel, tenho dois filhos que são minha razão de viver, a Camila com 11 anos, e o Matheus com 03. Bom, falar sobre amamentação pra mim é meio difícil, me sinto um tanto quanto frustrada em relação a isso. Amamentei a minha primeira filha até o sétimo mês, mas confesso que no inicio eu não sentia prazer em amamentar, foi difícil, meu leite demorou a descer, empedrou, meu bico rachou, eu sabia da importância da amamentação e fui insistindo, depois que essa fase passou, nossos laços foram se estreitando, eu fui amadurecendo e já podia enxergar aquele momento como algo mágico, que é o que imagino que todas as mães sentem, ela largou o peito com sete meses quando voltei a trabalhar, até insisti no inicio mas ela não pegou mais. Quando engravidei do Matheus, meu maior desejo era amamentar, fazer melhor que a primeira vez, mas infelizmente tentei de tudo por 15 dias, ele chorava, ouvi muitas criticas por continuar insistindo, chorei muito também por não conseguir, e aí acho que tudo colaborou, para que o leite não descesse e acabei partindo para mamadeira, aos poucos aceitei a situação e parei de me culpar, pois sei que fiz tudo que podia, e hoje posso dizer com toda certeza que amamentar é um ato de amor, mesmo que na mamadeira... Obrigada pelo convite amiga seu blog está mara!



E vc? Conte-nos sobre sua experiencia no assunto.

4 comentários:

Bla bla blás de uma gravidez... disse...

Amamentar, ai que delícia, eu amei poder dar e receber esse prazer, amamentei os meus dois filhos até 1 ano pq eles não quiseram mais, senão teria ido em frente!

Nós por Nós disse...

Esse assunto rende mto não é? Adorei os depoimentos e pude perceber que as histórias se repetem, algumas mães tem dificuldades enquanto pra outras acontece td de forma muito natural...

Bjs amiga... agora esse blog é meu e da Pâ ta?

Pâmela disse...

...oun me emocionei... acredito sim amamentar é um ato de amor... embora eu ainda não tenha filhos, participei mto da criação dos bebês da Fabi... e até ajudei a amamentar, se é pode-se dizer isso!!!
Espaço mais q especial esse seu Kelly... parabéns!!! bjsssss

♥ Mamãe da Ana Luiza ♥ disse...

Obaaaa! ai ser uma delicia ter vcs por aqui tambem!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails