quinta-feira, 16 de junho de 2011

Desenvolvimento do Bebê


Uma das maiores preocupações dos pais, principalmente os de primeira viagem, diz respeito à saúde dos filhos. Afinal, como saber se eles estão mesmo crescendo de maneira saudável? A resposta para essa dúvida comum não é tão simples quanto parece, pois embora existam certos indícios que indicam um bom desenvolvimento, cada caso é um caso. É por isso que o pediatra é fundamental na infância.

É ele que, a cada consulta, vai analisar como está o crescimento físico do seu bebê, considerando o seu peso e altura, uma vez que isso deve acontecer em um ritmo constante, existindo alguns períodos de estagnação, de acordo com as indicações da curva de crescimento da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Outro aspecto positivo de seu filho receber a devida atenção médica é que, caso qualquer problema de crescimento seja encontrado, quanto antes o tratamento for realizado, melhor.

Segundo especialistas, nos dois primeiros anos de vida da criança é importante levá-la pelo menos uma vez ao mês para avaliação médica. Após esse período, siga as instruções do próprio pediatra.

Como garantir um bom desenvolvimento?

Além de contar com o precioso acompanhamento médico, os pais podem e devem fazer sua parte para que os pequenos cresçam saudavelmente.

Primeiro mês
É comum no primeiro mês o bebê acompanhar ruídos e objetos com os olhos. Ele também fixa o olhar no olhar do outro. É “durinho”, com a chamada hipertonia fisiológica. Ao colocarmos um objeto em suas mãos, ele as fecha rapidamente, por reflexo.

Segundo mês
O bebê ainda tem o corpo duro e se movimenta em blocos. Também começa a sustentar a cabeça e aparecem os primeiros sorrisos para o cuidador, em resposta ao seu estímulo afetivo.

Terceiro mês
O pequeno sustenta a cabeça voluntariamente e tenta alcançar objetos à frente. Ao passear, é importante deixá-lo numa posição em que seus olhos possam explorar as pessoas, os objetos e a paisagem. Nessa idade, os bebês estão amadurencendo as vias visuais.

Quarto mês
Caso o bebê ainda tenha dificuldades para firmar o pescoço sob o tronco, os pais precisam comunicar o pediatra, sem alarmismo. Para ajudar a estimular o pequeno, eles podem mostrar objetos coloridos, de diferentes formas, conversar perto e de ambos os lados para que ele vire a cabeça em busca do som. Tem início nesse período a chamada fase oral e, por causa disso, ele começa a levar objetos à boca. Ele também usa o corpo todo para se comunicar e respeita o tempo da fala do interlocutor.

Quinto mês
O bebê começa a ficar sentado com apoio, que pode ser uma almofada, por exemplo. Os pais devem colocá-lo nessa posição por alguns minutos para fortalecer a coluna vertebral. No entanto, tempo demais pode sobrecarregá-lo. Algumas crianças podem começar a rolar pelo chão.

Sexto mês
Dessa etapa até o nono mês, é fundamental verificar se há um bom contato ocular: alguém olha e ele corresponde. Um sinal precoce de transtorno do desenvolvimento social e da comunicação é a falta desse contato de maneira consistente. Vale lembrar que alguém pode olhá-lo e ele corresponder desviando. Mas essa, muitas vezes, é uma atitude normal de timidez. No sexto mês, é ideal também que ele fique bem sentado com apoio e comece a experimentar isso sem auxílio. Levar o pé à boca é um gracioso comportamente dessa fase .

Nono mês
Os pais podem esperar até o nono mês para que o bebê fique sentado sem apoio. Caso isso não aconteça, informe o pediatra. Nessa fase, é comum ele se jogar para a frente e, até o décimo mês, engatinhar. São poucos os que pulam essa etapa e aprendem a andar direto. No décimo mês, batem palminhas também.

Um ano
Ao longo do primeiro ano, eles aprendem – cada um no seu tempo – a marchar sem apoio. Até por volta dos 15 meses, espera-se que falem dissílabos, como “mamã água” e “nenê colo”.

Fonte: bb.com

Um comentário:

Natália a mãe disse...

Adorei...Semana que vem vou publicar as fases do desenvolvimentos da criança...Mto bom...beijos

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails